The Great Reset: devemos “resetar” o discurso de venda?

Recentemente foi publicado no site da Somar, consultoria responsável pelo Brands 4 Impact, um artigo explicando o Great Reset, iniciativa do Fórum Econômico Mundial que consiste numa plataforma para colaboração e cooperação de stakeholders globais na gestão simultânea das conseqüências diretas da crise do COVID-19. A agenda do Great Reset teria três prioridades:

  1. Direcionar o mercado para resultados mais justos;

  2. Garantir que os investimentos avancem objetivos comuns, como igualdade e sustentabilidade;

  3. Aproveitar as inovações da Quarta Revolução Industrial para apoiar o bem público, especialmente enfrentando os desafios sociais e de saúde;

Trata-se de um chamado para que todas as indústrias repensem seu papel na sociedade de acordo com o que ela e o planeta precisam no momento. Quando trazemos essa linha de pensamento para o contexto do marketing, é necessário reconhecer que, para que os objetivos do Fórum se concretizem, todo o mindset de venda deve priorizar a promoção responsável de produtos e serviços e a educação do consumidor. Em outras palavras, ética é a bússola do posicionamento das marcas, que precisam ser transparentes em todas as pontas do marketing, para que ele possa ser considerado de fato consciente.


Os dados podem ser grandes aliados nesse sentido, quando usados de forma sensata. Num estudo global da Kantar Ibope Media, Dimension 2020, 54% dos consumidores entrevistados afirmaram considerar invasivo receber publicidade com base nas suas atividades online anteriores. Em 2019, o número foi exatamente o mesmo, indicando que não houve melhora. Entre os principais problemas apontados por essa edição do estudo, denominada “A Mídia & Eu”, está o método equivocado de retargeting, enviando mensagens a pessoas que já compraram o produto de uma marca. 56% dos entrevistados disseram ter passado por isso.


Curiosamente, levando o mesmo nome do The Great Reset, existe um movimento dentro da indústria midiática, liderado pelo grupo de profissionais de propaganda Purpose Disruptors. O manifesto desse Great Reset defende que é responsabilidade da indústria encorajar as pessoas a se comportarem de forma mais sustentável, mantendo alguns padrões observados com o lockdown em termos de consumo consciente e menos impacto ambiental. Tudo isso comprova uma inquietude do mercado por mudanças positivas a longo prazo, baseadas em valores sólidos, que já eram necessárias pré-crise e hoje se tornam imprescindíveis.